fbpx
Sobre filhos, salsichas e bicicleta – estilo de vida na Alemanha

Sobre filhos, salsichas e bicicleta – estilo de vida na Alemanha

Como é morar na Alemanha? Como é a vida aí? São duas das perguntas que sempre me fazem. Resolvi escrever esse post para contar um pouquinho para vocês como é ser mãe, separada, trabalhar e viver em um país tão diferente do Brasil. Talvez ao fim desse post vocês consigam entender o que me faz continuar aqui, mesmo que às vezes eu queira voltar correndo para o Brasil! Acho que a melhor maneira de mostrar pra vocês como é a minha vida aqui é descrever um dia de semana típico seguido de um fim de semana. Vamos là?

Para os padrões brasileiros, as cidades européias são relativamente pequenas. Mesmo cidades grandes como Paris e Londres não chegam nem perto do tamanho de uma São Paulo. As distâncias são menores, e o transporte público mais eficiente logo, o deslocamento casa-trabalho-casa toma bem menos tempo. Aqui, o meu dia rende muito mais do que em São Paulo. A sensação é a de que temos mais tempo para as coisas, sabe? E o fato de poder fazer muita coisa de bicicleta facilita muito a vida. Ao invés de gastar 45 minutos / uma hora para andar até o mercado e voltar me arrastando com duas sacolas pesadas, eu gasto 20. Vou e volto de bicicleta ao mercado, correio, estação de trem e metrô. Meu sonho mesmo é poder ir trabalhar de bicicleta, o que espero acontecerá em 2020. 

Meu dia a dia todos os dias

Acordo por volta de 06h45 da manhã. Meu filho toma café, almoça e faz lanche na creche. Saimos de casa por volta de 07h30. A creche é ao lado, e ele vai em cima da minha bicicleta (e eu andando empurrando o folgadinho kkkk). Aqui os pais precisam entrar na creche, ir ao vestiário, ajudar a criança a tirar o casaco e colocar o Hausschuhe, que nada mais é do que um sapatinho confortável que as crianças usam dentro da creche. Só depois disso é que se considera que a criança está “entregue”. Aqui na Alemanha não se entra em ambientes fechados privados com o sapato da rua. Em casa, na casa dos amigos, na creche, todo mundo põe Hauschuhe (sapato de casa). 

Marcelinho brincando em um parque

Deixar minha casa e deixar meu filho na creche leva cerca de 10 minutos tudo! Aí pego minha bicicleta e pedalo um quilômetro até a estação de trem, onde a deixo estacionada no local apropriado para bikes. Pego o trem rumo a Munique e, chegando na estação final eu pego um ônibus. Parece muito? Não é! Da estação do meu bairro até a porta do meu trabalho levo cerca de 40 minutos. Em 2015, em São Paulo, eu gastava 1h30 só para ir ao trabalho… É por isso que eu falo que aqui o tempo rende mais.

A volta para casa não é diferente. Ônibus, trem e a minha bike. E consigo estar em casa em 45, 50 minutos no máximo. E gente, isso porque eu moro fora de Munique, tipo morar em Guarulhos e trabalhar em SP. Meu objetivo para 2020 é conseguir reduzir esse tempo de locomoção para 25 minutos no máximo. 

A creche vai até às 16h30, mas eu só chego em casa às 19h. Tenho uma pessoa para buscar meu pequeno todos os dias na creche e ficar com ele até a minha volta. Ao chegar ficamos um pouco juntos, jantamos, banho e cama para ele no máximo às 20h30. Só depois que ele dorme é que eu vou ter tempo para mim. E vocês sabem, tem dias que as crianças não dormem no horário nem a pau kkkkkk, mas geralmente ele dorme cedo sim. Aí eu pisco e pá, não fiz nada e já tenho que ir dormir também! Trabalhar o dia todo, ter filho e casa para cuidar não é fácil, mas sou feliz assim.

Mercado eu faço de bicicleta. Quando tenho que comprar muita coisa eu acoplo o chamado anhänger na bike, que é aquele carrinho para transportar crianças. Encho ele de coisas, ponho sacolas na cestinha e a compra do mês está feita. Bicicleta é muito prático, não entendo por que tem gente no Brasil que ainda resiste à ideia! Até na hora de voltar da balada, é muito melhor pegar a bike no ponto e sair pedalando até em casa do que ficar andando sozinha na rua tarde.

Das Wochenende – o fim de semana

Mas o melhor de tudo são os fins de semana de bicicleta. Passear pelos campos ao redor da nossa casa, pelas plantações de milho, de girassóis. Amo e acho lindo! Meu filho e eu pegamos nossas bikes, colocamos água e lanchinhos em uma mochilinha e saímos para pedalar. Pedalar em família aqui é programão de tarde de sol, sair para explorar parques, campos e montanhas com as crianças faz parte da tradição do fim de semana. E claro, entre os lanchinhos está sempre a famosa salsicha em várias cores e sabores. Tento não comprar muito, mas aqui acho engraçado que dão uma salsicha crua para as crianças como “engana estômago” até a próxima refeição! 

Nos fins de semana nós relaxamos. Não gosto de fazer grandes planos para sábado e domingo, pois adoro ficar de preguiça em casa, tomar meu café com calma, ver TV com meu filhote e sair somente a hora que dá vontade. Odeio ter horários no fim de semana! Quando quero fazer algo geralmente decido meio que de última hora. Adoro visitar os mercados de pulga – os Flohmärkt – dia de domingo, sempre acho algo para comprar, nem que seja um carrinho usado de 0,50 para meu filho!

Pedalando no outono, tão lindo!

Quando o Marcelinho está com o pai aí tudo muda. Relaxo em casa – agora mesmo estou em casa sozinha colocando os posts atrasados em dia -, mas tenho tempo para mim, saio, vou encontrar minhas amigas em algum bar ou baladinha brasileira, vou a dates. Aliás, dating é um assunto que quero introduzir em breve aqui. 

A vida na Alemanha é tranquila, sem sobressaltos, estável. Você sai de casa sabendo a hora que vai chegar ao destino, vai ao mercado sabendo o preço dos itens, planeja sua vida sabendo que de maio a setembro faz sol, e de dezembro a abril faz frio intenso e neva. Enfim, é um estilo de vida que nos permite um maior controle sobre nossa própria vida, mais tempo, mais liberdade. Existe também o outro lado, o da depressão, dos poucos amigos, da saudade, mas isso é assunto para outro post.

Beijos!

Hamburgo: Blankenese tem prainha com ares de riviera

Hamburgo: Blankenese tem prainha com ares de riviera

Algumas semanas atrás tive o prazer de viajar para o norte da Alemanha, mais precisamente para Hamburgo. Fiquei no bairro de Blankenese, um lugar lindo e agradável nos arredores de Hamburgo com direito a praia de areia e clima de riviera nas margens do rio Elba.

Hamburgo é considerada a segunda melhor cidade da Alemanha, perdendo apenas para Munique.

Não passeei pelo centro de Hamburgo e nem visitei atrações turísticas desta vez, fiquei apenas em Blankenese: andei por suas ruas arborizadas ladeadas por casas de tijolos vermelhos, casarões e parques lindos nas encostas do rio Elba. Vale dizer que Hamburgo é uma cidade histórica (qual cidade não é na Alemanha?), mas também é multicultural, natural, antiga e moderna, tudo ao mesmo tempo. O rio Elba, o verde das ruas e dos parques, e o lago Alster fazem de Hamburgo um lugar lindo. A gente até esquece que é uma cidade grande, com dois milhões de habitantes!

Uma coisa me chamou muita atenção: as enormes casas típicas do norte da Alemanha com seus telhados de palha natural, algo que tinha visto só em documentários! Muito diferente o revestimento natural. Vocês sabiam que a palha pode durar até 30 anos sobre o telhado? E ainda serve como isolante térmico. É possível ver esse tipo de construção por todo o norte do país, principalmente nas regiões fronteiriças com a Dinamarca, onde marinheiros dinamarqueses e alemães construíam casas para quando se aposentassem. Algumas dessas cidades parecem saídas de um filme de época!

Voltando a Blankenese, qual não foi a minha surpresa ao ver, na prainha do bairro em pleno mês de abril, uma galera jogando vôlei de praia! Sério, gente, nem acreditei. Não era exatamente a cena que imaginei ver em Hamburgo, conhecida pelo clima chuvoso e cinza. Abril costuma ser um mês maluco por aqui, faz frio, calorzinho, chove, neva… estava uns 16 graus e a galera lá, firme e forte super no clima de praia batendo uma bola.

A prainha de Blankenese fica em uma pequena costa cheia de casas bonitas – algumas típicas, outras bem moderninhas. Bom mesmo é andar a pé, subir a encosta para apreciar o rio lá de cima ouvindo o canto dos pássaros. Quando o sol beija as águas do Elba fica a coisa mais linda. E se você tiver a mesma sorte que eu vai ter um barquinho à vela velejando bem na hora da foto, tornando qualquer filtro absolutamente desnecessário.

Também é possível andar de bicicleta por todo o caminho da prainha, ladeando a encosta, curtindo a paisagem e parando pra um café em um dos quiosques. O Strandperle é legal para uma cerveja gelada; pra quem prefere vinho tem e o estilo lounge na praia tem o Dock 13. Quer beber com o pé na areia? Vá no Ahoi Kiosk que oferece long drinks, pão fresco e bolos, além de vinhos. Outra opção é o Café Lüküs para uma fatia de bolo e um café rápido. É para de famílias com crianças e mochileiros de passagem.

E quem curte caminhar ou correr o local rende ótimas trilhas.

Como eu fui visitar uma pessoa muito especial em Hamburgo podem esperar que a cidade ainda vai render muitos posts por aqui.

SOBRE PL

O Passaporte voltou, sempre interagindo com seus seguidores, com dicas e informações do mundo da moda, beleza, turismo, entretenimento com um olhar de quem vive buscando o inusitado!

Desenvolvido por Digital Helper
Copyright © 2020 Passaporte do Luxo.Todos os direitos reservados.